O conflito interno de um filho cujos pais fazem alienação parental

alienação parental

Imagine um filho, com seu pai e sua mãe, cada um deles com o seu conjunto de valores.

Seus pais se separaram, em grande medida, em função de problemas que não conseguiram resolver e que os impediu de seguir adiante juntos. Porque cada um deles, para estar de acordo com o outro, deveria ir contra seus valores e, no fim, contra os próprios valores de suas respectivas famílias de origem.

Essa é uma das maiores causas dos términos dos relacionamentos: o homem não suporta criar um novo sistema, com a sua mulher, com os seus filhos, porque estar de acordo com a mulher o colocaria contra os seus pais. E a mulher da mesma forma. E então o casal se separa.

O que acontece com o filho? Com quem ele se vincula? Qual é a sua lealdade? Ele adotou os valores de quem? O filho, muitas vezes, se vê em uma situação difícil.

Quando os pais não se conversam, não se harmonizam, e, principalmente, não se respeitam, o filho sente um conflito de lealdade: quando ele está com o pai, para sentir-se pertencente, precisa estar de acordo com o que o pai espera, com o que a família do pai espera. Quando ele está com a mãe é diferente: ele precisa ter outros valores.

E às vezes a maneira para ficar bem com o pai é contrária à maneira que a mãe espera, porque se ele fizer de um jeito que é bom para o pai, não é bom para a mãe. E se for bom para a mãe, não é bom para o pai.

O que acontece com esse filho? Ele sofre as consequências disso, ele se sente dividido, se sente em conflito. Uma criança não tem estrutura para buscar o que é certo para si, para encontrar o seu próprio caminho. E a criança sofre.

Isso às vezes se expressa com um déficit de atenção, por exemplo. A criança, inconscientemente, diz: “Para quem eu olho? Qual é a minha referência?” E isso se expressa no seu comportamento.

Isso é uma consequência da alienação parental, por exemplo. Porque quanto mais um dos pais é excluído, mais o filho sente a necessidade de honrar e olhar aquele que está sendo excluído. Então quando o pai exclui a mãe, ou a mãe exclui o pai, o filho se sente dividido, fica confuso, e isso é bem sério.

Esse é, também, mais um motivo para os pais se harmonizarem, e respeitarem um ao outro, sabendo que seus valores e sua família, dentro da criança, não são os únicos. O outro também está certo, de acordo com sua origem.

Os impactos da alienação parental na vida de uma criança são devastadores, mas suas consequências seguem ressoando na vida adulta, com sentimentos e traumas baseados no abandono, falta de afeto, depressão e sensação de vazio.

Ter um filho é sinônimo de respeitá-lo também como ser humano, como um ser em desenvolvimento e detentor de direitos que precisa de proteção e cuidado,.

Os filhos são feitos de seus pais, excluir o pai ou mãe do coração da criança é impossível.

Ainda tem dúvidas? Entre em contato conosco, permanecemos à disposição para conversarmos sobre o tema.

Veja mais

Deixe um comentário